Início >> Noticia >> Amazônia Jazz Band apresenta concerto gratuito com clássicos das big bands
  • Increase
  • Decrease

Current Size: 100%

Amazônia Jazz Band apresenta concerto gratuito com clássicos das big bands

 

Para celebrar o período de ouro das grandes bandas, a Amazônia Jazz Band reuniu compositores importantes do gênero para o concerto “Na tradição das big bands: o Jazz”, com regência do maestro Nelson Neves, que será apresentado na próxima terça-feira (25), a partir das 20h, no Theatro da Paz. A entrada é gratuita. Os ingressos serão disponibilizados a partir de 9h do dia 24, na bilheteria do teatro e no site www.ticketfacil.com.br, com retirada limitada a dois ingressos por pessoa e taxa de conveniência de R$2.

No programa, estão músicas como "Langeitud", de Eric Richards; Wish You Were Here, de Steve Wilson, com arranjo de Paul Krueger; "Back Burner", de Carmine Pastore; "Luna B", de David Von Kampen; "Soul Vaccination", de Emilio Castillo e S. Kupka, com arranjo de Paul Lavender; "Ease On Down", de Lennie Niehaus; "Candela", de Jonathan Katz; "Sail Away", de Tom Harrell, com arranjo de Eric Richards; "Count On The Blues", de Andy Classen; "Back Bone", de Thad Jones, com arranjo de Mike Carubia; e "After You’ve Gone", de Henry Creamer/T. Layton, com arranjo de Paul Clark.

O maestro explica que quando se fala das “Big Bands” são rememorados momentos da Era do Swing, entre as décadas de 1930 a 1950, mas que ainda atualmente as bands continuam existindo com nomes como, por exemplo: Duke Ellington, Count Basie, Benny Goodman, entre outros. Com a expansão do jazz nas décadas seguintes, surgiram também vários bandleaders, ou seja, aqueles que conduzem as bandas – que também se diversificaram em estilos e nuances sonoras.

“O jazz como arte e apresentado como música séria em teatros ou salas de concertos pelo mundo afora é apreciado por ouvintes, críticos musicais e amantes da música instrumental. O jazz pode evocar quase qualquer humor. Algumas músicas são leves e alegres, algumas são pesadas e sérias, algumas fazem você querer dançar, algumas fazem você pensar, algumas são suaves e previsíveis, algumas são agitadas e cheias de surpresas”, explica o maestro.

E uma das marcas do movimento jazzístico é a improvisação, quando o músico, tomado pela experiência de uma apresentação, ousa fazer interpretações que não estão previamente acertadas. O concerto da Amazônia Jazz Band tem esse momento e como diz o maestro, é como andar “no fio da navalha pelos riscos inerentes que todo improvisador corre ao expor suas ideias e conhecimentos musicais em determinados momentos da obra”, comenta.

Ritmos

Nelson Neves, que além de regente também é grande estudioso do jazz, acredita que existem alguns aspectos essenciais que tornam cada performance uma criação nova e original. “Ouvir jazz ao vivo é excitante não apenas pelo modo como isso nos faz sentir, mas também pela percepção de que estamos seguindo o pensamento musical dos músicos e no momento em que estão inventando suas músicas. Eles estão nos levando junto com eles enquanto fazem um som novo, e isto é que a AJB fará neste concerto”, diz. “Jazz é: sonoridade, fraseado, acentos, groove, colorido, swing, improvisação, harmonia, liberdade, e acima de tudo, um estilo de vida”, finaliza.

AMAZÔNIA JAZZ BAND

A Amazônia Jazz Band foi formada, em 1994, com elementos remanescentes da extinta Big Band, grupo artístico da Fundação Carlos Gomes, até assumir um caráter profissional ao ser encampada pela Secretaria de Estado de Cultura (Secult-Pa), em 1996. O primeiro bandleader da AJB foi o gaúcho Andi Pereira, substituído pelo americano Barry Ford em 1999. Em 2005, o percussionista paulista Ricardo Aquino passou a responder pela regência. Desde 2012, o pianista, arranjador e regente Dr. Nelson Neves está à frente da Banda.

A qualidade técnica conquistada ao longo do tempo, aliada a versatilidade do repertório e a grande receptividade do público paraense, são características que marcam a trajetória da AJB. Esse repertório vem se renovando e diversificando constantemente. Cobre, atualmente, não só os clássicos norte-americanos escritos para essa formação, como as contribuições contemporâneas nacionais e internacionais. Nos programas da AJB compositores como I. Stravinsky, D. Schostakovich, dividem espaço, por exemplo, com os paraenses Wilson Fonseca e Waldemar Henrique.

Serviço

Concerto “Na tradição das big bands: o Jazz” Dia 25/09/2018 Às 20h No Theatro da Paz ENTRADA FRANCA Ingressos disponibilizados a partir de 9h do dia 24/09 na bilheteria do Theatro da Paz e no site www.ticketfacil.com.br. Retirada limitada a dois ingressos por pessoa, com taxa de conveniência do site a R$2,00 por ingresso.

PROGRAMA

Langeitud - Eric Richards Wish You Were Here- Steve Wilson (Arr. Paul Krueger) Back Burner - Carmine Pastore Luna B - David Von Kampen Soul Vaccination - Emilio Castillo/S. Kupka (Arr. Paul Lavender) Ease On Down- Lennie Niehaus Candela - Jonathan Katz Sail Away - Tom Harrell (Arr. Eric Richards) Count On The Blues - Andy Classen Back Bone -Thad Jones (Arr. Mike Carubia) After You’ve Gone - Henry Creamer/T. Layton (Arr. Paul Clark)