Início >> Noticia >> Duas vezes Carlos Gomes no Theatro da Paz, na literatura e na música
  • Increase
  • Decrease

Current Size: 100%

Duas vezes Carlos Gomes no Theatro da Paz, na literatura e na música

 

A programação do XVII Festival de Ópera do Theatro da Paz traz, nesta quarta-feira, 12 de setembro, antes da última récita de Um Baile de Máscaras, de Verdi, que será apresentada às 20h, o lançamento do livro “Carlos Gomes - O Sono Eterno no Berço Natal”, do historiador e escritor Jorge Alves Lima, e do CD de Canções de Carlos Gomes “Canto e Piano”, da soprano Vera Pessagno. A partir das 19h, no hall de entrada do Theatro da Paz. Ingressos para a 3ª récita de Um Baile de Máscaras estão à venda na bilheteria do teatro.

Em mais de cinquenta anos de carreira artística, Vera Pessagno já interpretou muitas obras de Carlos Gomes, entre as quais algumas compõem o CD “Canto e Piano”. “Possuo quatro programas em rádio na região de Campinas e um Programa de TV, todos dedicados à divulgação da boa música”, diz Vera Pessagno, que é considerada uma das "viúvas" de Carlos Gomes, um termo utilizado, de forma carinhosa, para titular as interpretes da obra do maestro ao longo dos anos, e pelo fato dela ter gravado vários CDS com a obra do compositor. 

“Sempre participei e participo das diferentes e inúmeras atividades culturais promovidas pela Prefeitura de Campinas em conjunto com diferentes entidades culturais e alguns particulares com o objetivo de manter viva a memória de tão importante personalidade musical da cultura e história do Brasil. Para mim, será um honra participar desta iniciativa de vossa cidade, tão importante na vida do nosso Maestro”, diz Vera. 

Travessia – De Belém à Campinas

A obra de “Carlos Gomes – O Sono Eterno no Berço Natal” é o terceiro volume de uma série publicada pela editora Pontes, que conta a trajetória artística do maestro. Fazendo uma verdadeira imersão no passado recortado naquela época em que o notório maestro viveu, o volume inédito relata com propriedade aqueles anos do fim do século XIV, quando o corpo de Carlos Gomes atravessou daqui do Pará, toda a costa brasileira no navio Itaipu, rumo ao Rio de Janeiro.

Os capítulos desse novo volume permeiam toda aquela atmosfera, mostrando com detalhamento o sentimento do povo paraense que sofreu a morte do ídolo. Descreve também os acontecimentos celebrativos em cidades importantes da trajetória triunfante do Tonico, como Belém, Rio de Janeiro e Santos, até o seu atracamento final, em seu berço natal. Carlos Gomes nasceu em Campinas e morreu em Belém.

As duas cidades se orgulham da importância do homem que ‘Nhô Tonico’ foi e para essa obra ser completa uma série pesquisa de campo foi necessária. Jorge percorreu arquivos, acervos, visitou locais, colheu depoimentos e constatou por fatos e evidências concretas, os relatos descritos com domínio de causa no livro.

Jorge Alves de Lima buscou entender também o que Carlos Gomes representou no extremo norte do país, em Belém do Pará, onde o maestro passou seus últimos momentos. Na cidade das Mangueiras, Jorge se aprofundou em seu trabalho de captação, percorrendo como se ali ainda vivesse o gênio biografado.

Na Rua Quintino Bocaiúva, esquina da Travessa Tiradentes, casa do compositor, o encontro com o passado aconteceu. “Enquanto naquela casa eu tinha a nítida impressão de que o maestro regia sua ópera O Guarani lá do século XIV e essa harmonia me fez sentir pela primeira vez a minha missão de resgate dessas memórias”, relata.

A documentação mais detalhada e informativa dos últimos momentos de Carlos Gomes encontra-se no Estado do Pará. Jorge Alves de Lima in loco esteve a procura desses papéis que validam sua obra.

“Consegui entender esses momentos cruciais da vida do maestro. Foram dezenas de páginas de anotações até ter a pesquisa finalizada. Essa reunião de provas, relatos, entrevistas, visitas aos locais históricos, tudo está no livro que deixo como uma singela contribuição para que a memória desse nosso imortal campineiro fosse honrada”, finaliza.

Concerto de encerramento

O XVII Festival de Ópera do Theatro da Paz se despede do público neste sábado, 15 de setembro, às 20h, com o concerto de encerramento da OSTP, que será regida pelo maestro Pedro Messias, assistente do titular Miguel Campos Neto que a regeu na ópera “A Vida Breve”, de Manuel de Falla, em agosto, abrindo a programação do festival, e faz nesta quarta-feira a sua ultima execução de “Um Baile de Máscaras”, de Verdi. Os ingressos para o concerto de sábado custam R$ 5,00 e podem ser adquiridos na bilheteria do teatro.

Serviço
XVII Festival de Ópera do Theatro da Paz. Nesta quarta-feira, 12 de dezembro, lançamentos de livro e CD, às 19h, e às 20h, apresentação da última récita de Um Baille de Máscaras, de Verdi.  Patrocínio: Banpará, Banco do Brasil, Líder. Realização: Secretaria de Cultura, Governo do Estado do Pará e Ministério da Cultura – Governo Federal. Apoio: Prospera, Academia Paraense de Música e Baalbek Antiguidades . Mais informações: 91 4009.8758.