Notícias

Alvorada Cabana inicia comemoração pelos 407 anos de Belém

Preamar Cabano segue até dia 31 com exposições, rodas de conversa e apresentações musicais
Por Quezia Dias (SECULT)
09/01/2023 13h03

Abrindo a programação do Preamar Cabano, neste sábado (7), aconteceu a Alvorada Cabana, no Complexo do Ver-O-Peso com a participação de mestres e mestras de carimbó e apresentação dos grupos Sancari e Mururé. 

A ação, é realizada pelo Governo do Pará por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult)  e em parceira com a campanha do Carimbó Patrimônio Cultural Brasileiro, busca celebrar 407 anos de Belém e fazer memória dos 188 anos da Cabanagem, uma das principais revoltas populares realizadas no Brasil. 

Para Isaac Loureiro, coordenador da campanha do Carimbó Patrimônio Cultural Brasileiro, o Preamar é a oportunidade para mostrar a relação do carimbó, Belém e a Cabagem. O ritmo faz parte da história da população e da revolta. 

"Está presente dentro do cotidiano das pessoas e dentro desse processo histórico que o Pará já viveu, que Belém já viveu dentro da sua formação. A Cabanagem foi um deles", explica Isaac. 

A Alvorada Cabana contou com a presença de sete mestres de carimbó dos municípios de Quatipuru, São Miguel do Guamá, São Caetano de Odivelas, Marapanim, Ananindeua e Belém.

Segundo a mestra Claudete Barroso, de Marapanim, a participação na programação é de extrema importância, porque o carimbó é resistência assim como a Cabanagem. "É um privilégio para o carimbozeiro e carimbozeira estar aqui nesse momento". 

O ritmo animou a área do Ver-O-Peso e o público caiu na dança. A aposentada Jocelaine de Aguiar, 51 anos, gaúcha e que reside em Belém há dois anos, organizou as compras para coincidir com a ação. "Estou achando fantástica, tem tudo a ver com o que Ver-O-Peso representa para Belém e para o Pará aliado ao carimbó, essa música fantástica que eu adoro". 

O Preamar Cabano continua até o dia 31 deste mês com exposição, rodas de conversas, apresentações musicais, oficinas e shows em vários espaços culturais com entrada gratuita.

Texto: Lorena Saraiva (Ascom Secult)